quarta-feira, 8 de julho de 2015

Conto de aniversário

Odeio segundas-feiras! Não tem jeito de eu acordar disposta numa segunda-feira. E quando você desperta 33 anos mais velha numa segunda-feira, é pior ainda. O ciático latejando desde cedo, mas alguma coisa me dizia que algo de bom estava à minha espreita. O dia transcorreu normalmente. Este ano resolvi ocultar meu aniversário das famigeradas e impessoais redes sociais. Anonimato! Ah, que sensação libertadora. Fiquei feliz!!! Felicitações apenas daqueles que me são especiais em meio a um dia normal de muitos afazeres... e quando, no final do dia, acreditava não haver nenhuma surpresa, eis que toca o telefone. Meu coração dispara, o corpo todo treme, mesmo que não insistisse em ter aquele contato salvo, não esqueceria do número nem que se passassem mil anos... era ele. Não acredito! Era ele! Alô? Alô? Não ouço nada. Alô? Desligo. Ele insiste. Alô? Alô? Continuo não ouvindo nada. Ele vai pensar que não quero falar com ele. Até que mais uma tentativa... a ligação continua ruim, mas agora posso ouvir. Tanto ele, quanto as coisas bobas que saem (ou não) da minha boca. Frio na barriga. Tremedeira. Lá se vão no mínimo oito anos, e esse cara ainda mexe comigo. Esse cara que eu nunca toquei. A não ser nos meus pensamentos... Oi? O quê? Não entendo bem o que ele diz, mas o timbre daquela voz já é o bastante. Nem sei quanto tempo se passou, um minuto? Cinco? Uma hora? Não sei dizer... foi pouco, muito pouco. Porém o bastante para ter certeza de que aquela chama nunca se apagou... Derretida, é como estou.  

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Sonhos que vivem no frio do inverno são como fogo em mim!


Flores que falam a língua do vento tragam pra perto de mim
Sonhos que vivem no frio do inverno
São como fogo pra mim
Brilha nos olhos de alguém que um dia
Eu quis ter só pra mim

domingo, 6 de abril de 2014

Tempo

Tempo que me falta
Tempo que me resta
Tempo que se foi
Tempo que virá

Tempo, tempo, tempo...

Tempo de viver
Tempo de me amar
Tempo de querer
Tempo de sonhar

Tempo, tempo, tempo...






domingo, 16 de março de 2014

Vazio

É tão estranho e confortável ao mesmo tempo não sentir nada... Confesso que tenho medo de me acostumar de vez com o meu coração vazio.



domingo, 23 de setembro de 2012

Nem vem tirar
Meu riso frouxo com algum conselho
Que hoje eu passei batom vermelho,
Eu tenho tido a alegria como dom
Em cada canto eu vejo o lado bom.