sexta-feira, 28 de março de 2008

Para fins de esclarecimento

Sou sensível, romântica, sonhadora e ansiosa, o que faz com que eu viva dia sim, dia não em estado de extrema angústia. Também sou passional, o que me leva a agir diversas vezes com uma impulssividade tremenda. Tenho um probleminha em manter minha boca fechada, volta e meia acabo falando coisas que não deveria. Gente normal me cansa. Pessoas sem conteúdo não me conquistam. Detesto quem fala alto demais. Meu sexto-sentido é quase sempre infalível. E não suporto que subestimem a minha inteligência. Sou sincera, transparente, o que nem sempre é bom, pois acarreta numa exposição gratuita dos meus sentimentos. Sou chata pra caramba, e às vezes nem eu me aguento. Adoro ironia, sou do tipo que perde o amigo mas não perde a piada. Sou responsável e prezo a pontualidade. Não sou "santa", e nem tenho vocação pra isso. Faço o que tenho vontade e na hora que quero. Sou persistente, principalmente nos meus erros, mas não costumo me arrepender de nada do que faço. Aprendi a não ligar para o que os outros pensam, e nem me preocupar com o julgamento alheio, sou crítica suficiente comigo mesma, e só eu sei a batalha que travo entre minha razão e emoção. Sei o que quero, e mais ainda o que não quero. E sendo assim, sigo meu caminho, por entre altos e baixos, paixões e desilusões, sorrisos e lágrimas, fazendo o meu melhor e tentando ser feliz de um jeito simples...Desculpem se pareço egocêntrica, pedante, e repetitiva, mas acontece que não há nada e nem ninguém que eu conheça melhor e saiba falar a respeito do que sobre eu mesma.

4 comentários:

Mr. Fart disse...

Dra. Repolhinha do meu coração,
1) ói só: há dois livros em andamento, em nosso prelo virtual: um, que você o Betão e a Gê vão escrever e eu vou prefaciar. Este facilmente pode tornar-se realidade, basta querermos todos.

2) agora ói só, de novo: há um segundo livro, este já alinhado numa estante dum passado longínquo, já tem nome e existência, mas falta seus dois autores quererem e as teorias todas de Bergson estarem erradas, para ele poder vir à tona. Para que o redescubramos, serão necessárias (a) uma digressão filosófica e (b) uma regressão temporal. Será necessário podermos, como sugere Chico Buarque, voltar à escuridão do ventre - lá, de onde a curuminha nunca deveria ter saído; ou então, como diz Augusto dos Anjos, será preciso podermos voltar à antiga inexistência calma. Esse livro, se você continuar falando assim, vou pedir para os dois autores jogarem nas suas mãos, para você fazer dele o que quiser, desde pô-lo na prateleira, rasgar-lhe as páginas, atirá-lo ao mar, enfim, o que bem lhe pareça. Mas faça alguma coisa, desde que com essa sinceridade.
Ufffaaaa!
Tudo metáfora, hein? pelamordedeus! (já que sonhar não paga imposto nem leva à prisão...)

Me, Myself and I disse...

Fer querida ,

Fart disse tudo , mas queria dizer do meu contentamento que não cabe dentro desse Mundo , quando leio uma auto-crítica dessas .
Muito bom , o importante é definitivamente se conhecer para poder passar aos outros , o que te dizem são só rosas ou espinhos , vc pega com a mão só se quiser .
Um beijo grande querida

miguELVIS disse...

Ferzinha,

Já li inúmeras auto-críticas, mas nunca uma que de forma tão coerente e completa se mostrasse como a sua.
Cuidado hein, assim a gente perde o fator surpresa, e aquele "quê" de mistério inerente ao universo feminino.. rs, Brincadeirinha! Meus parabéns pelo que escreveu, e pelo que é.

Dra. Repolha disse...

Querido miguElvis!
Que bom tê-lo presente aqui também...
Sobre o seu comentário,ainda que eu tenha entendido a sua brincadeira. Posso lhe dizer que minhas fronteiras são extremamente estendidas, há muitos caminhos a percorrer, e muito o que descobrir, sempre há surpresas!

Beijo