terça-feira, 27 de maio de 2008

Que seja doce!


Acho que aquela paixão eufórica já não existe mais. E creio que as ilusões não habitam mais meu coração. Embora o frio na barriga ainda exista, sinto que de certa forma tomei as rédeas do meu coração. Sim. Ainda existe sentimento , o tum-tum acelerado no meu peito e provavelmente meus olhos ainda brilham quando olham os teus. Dizem que o tempo é o senhor do destino... Espero então que o tempo me traga as respostas que eu tanto procuro, e que me mostre que as lágrimas derramadas não foram em vão. Mas mais do que isso, se algum dia o tempo fizer nossos caminhos se cruzarem, que seja doce!

Um comentário:

Mr. Fart disse...

Hm... Camões diz assim: "É assim que vida, e alma, e esperança,/e tudo quanto tenho, tudo é vosso,/e o proveito disso eu só o levo,/porque é tamanha bem-aventurança/o dar-vos quanto tenho e quanto posso,/que quanto mais vos pago, mais vos devo."
Eu já tinha escrito isto no seu blogue? Se sim, perdoe-me, mas o amor é mesmo um troço ingrato e gratificante, ao mesmo tempo. Parece que nos gratifica com a ingratidão e nos fortifica com o enfraquecer-nos.
Abraço forte!