domingo, 18 de abril de 2010

O amor que eu sonhei

Deve ter esse tesouro em algum lugar
Pra acender uma estrela em meu olhar
Deve haver algum sinal de indicação
Pra me guiar, pra que eu acerte a direção


Uma vez ouvi alguém falar de amor
E desenhei o que eu imaginava ser
O amor seria o céu e toda sua dimensão
A boca noutra boca no calor de uma paixão
O amor seria o sol de dois olhares se cruzando
Na hora que há dois corações se amando


Como eu sonhei, eu desejei
É o amor que eu descrevo na canção
Como eu sonhei, eu desejei
Mas o amor que eu sonhei foi ilusão

Guilherme e Santiago - Sim, é sertanejo! E eu adoro!

3 comentários:

Fernando Shook disse...

Sonhe a vida que tu pode desejar, e viva os amores que puderes, não sonhe que outrem seja teu sonho. Agora te digo, permita-se ir além dos próprios sonhos, não se arrependerá.

Anônimo disse...

uau!

Paulo Tamburro disse...

FERNANDA, muito bonito!

A mulher tem uma determinação inata para trasncender em sonhos e fantasias sobre as coisas do amor.

Eu acho isto, extraórdinário, pois é como se vocês fossem fadas ou
duentes com misteriosos poderes de pós mágicos , que a nós homens não é possivel apreender.

Nós também , sentimos o amor, lógico, mas você se agaramm nele em sonhos e miragens etéreas seja
nas palavras ou na vivência do sentimento em sí, que nós não conseguimos.

São dois idiomas inteiramente distintos e pensar que nós, homens e mulheres conseguimos conviver nestas diferenças , tão sólidas e definitivas.

E por esta razão posso lhe garantir que as poesias de amor
das poetisas são, absolutamente mais atraentes que dos poetas, em geral.

É por isto,também,nós homens,e nossos pragmatismos radicais e pensamentos lógicos e Cartesianos, somos incapazes de vivermos sem vocês.

Realmente seria muito enfadonho, esta ausência de seres que transcendem , mesmo sob a mais implacável das realidades dos desencontros.

Então vocês dizem que sonharam!

Um abração carioca.