quarta-feira, 22 de setembro de 2010

"Já não raciocino nem respiro mais..."

Sinto como se eu estivesse caindo num precipício sem fim. Não sei dizer o que passa pela cabeça, é como se minha mente estivesse completamente vazia, em branco. Não sei o que sinto porque não sinto nada. Tenho cumprido minhas atividades diárias, mas é como se eu estivesse ligada no piloto automático. Não sei o que estou fazendo, nem pra onde estou indo, muito menos quando vou chegar. Perdi totalmente o controle da minha vida...

Um comentário:

Poemas e Amizades disse...

Piloto automático só se liga em três ocasiões na vida: quando o sono é muito forte, e insistimos em dirigir, seja de noite ou de dia; então, se temos a felicidade de chegar ao destino, compreendemos que dirigimos no piloto. Ou quando estamos profundamente felizes, o que evidentemente nos distrai, roubando todos os nossos pensamentos e levando-os cativos ao lugar-pessoa-motivo de nossa felicidade; atravessamos ruas, subimos escadas, passamos por túneis como se fosse um filme com final feliz. Ou, terceiro, quando, ao contrário do feliz, estamos tristes ou preocupados, e tão triste ou preocupados que nos é roubado o sono, a atenção, a motivação, a alegria, o bem-estar, o bom senso, a autoestima. No primeiro caso, precisamos dormir. No segundo, precisamos não mergulhar fundo. No terceiro, precisamos acordar do pesadelo e ver que a vida prossegue e que somos maiores que o que perdemos ou não conseguimos. O precipício sem fim tem um fim que se chama viver.
Abraço carinhoso
Marcelo Bandeira