domingo, 20 de março de 2011

"Comigo são sempre virgulas, aspas, reticências..."

"Exatamente assim. Pesada, sufocada. Ando com uma vontade tão grande de receber todos os afetos, todos os carinhos, todas as atenções. Quero colo, quero beijo, quero cafuné, abraço apertado, mensagem na madrugada, quero flores, quero doces, quero música, vento, cheiros ... quero parar de me doar e começar a receber. Sabe, eu acho que não sei fechar ciclos, colocar pontos finais. Comigo são sempre virgulas, aspas, reticências... eu vou gostando... eu vou cuidando, eu vou desculpando, eu vou superando, eu vou compreendendo, eu vou relevando, eu vou... e continuo indo, assim, desse jeito, sem virar páginas, sem colocar pontos... e vouuu... dando muito de mim, e aceitando o pouquinho que os outros tem para me dar."

Caio F. Abreu

4 comentários:

Brupa disse...

ai! me sinto besta por ser tão igual a este texto. :/

Danielle Garcia disse...

A maioria de nós adora virgulas e reticencias...também sou uma que me é difícil colocar o ponto final. Mas, fico também pensando...precisa? talvez essa seja a nossa essência, sermos virgulas e não pontos, sermos possíveis de mudança, de ver a vida de outro jeito depois das reticências... sem a obrigação de finalizar algo, de ser pra sempre. A vida ensina, e se a gente aprender algo diferente, é porque era pra mudar. No mais, vamos tentando...amando...pedindo...dando. Sempre lindas as tuas considerações, Fernanda. Beijao!!

Long Haired Lady disse...

ponto final não é facil viu!

Anônimo disse...

O segredo dos teus olhos...