segunda-feira, 24 de março de 2008

"Porque eu sou Eu e porque Eu sou alguém"

O mundo quer-me mal porque ninguém
Tem asas como eu tenho! Porque Deus
Me fez nascer Princesa entre plebeus
Numa torre de orgulho e de desdém.

Porque o meu Reino fica para além …
Porque trago no olhar os vastos céus
E os oiros e clarões são todos meus!
Porque eu sou Eu e porque Eu sou Alguém!

Florbela Espanca

Um comentário:

Mr. Fart disse...

O coração da maioria dos poetas bate; o de Florbela, contudo, espanca. Desculpe o trocadilho e a pobreza da piada, mas eis aí que você mesma descobriu o seu grande dilema: não ser compreendida, ou sê-lo, mas pouco.
Vou atacar de filósofo, embora não goste, pois sou reles advogado. Schopenhauer, em Aforismos para a Sabedoria da Vida, diz que as pessoas muito inteligentes, pelo fato de assim serem, enganam-se se vierem a acreditar que serão benquistas na sociedade. E aduz: "Na verdade, na maioria das pessoas, tais qualidades despertam ódio e rancor, que serão tão mais amargos quanto quem os sentir não tiver o direito de externar o motivo, chegando até a dissimulá-lo para si mesmo. Isso acontece da seguinte forma: se alguém nota e sente uma grande superioridade intelectual naquele com quem fala, então conclui tacitamente e sem consciência clara que este, em igual medida, notará e sentirá a sua inferioridade e a sua limitação. Essa conclusão desperta o ódio, o rancor e a raiva mais amarga."
Lembra que eu lhe falava, ontem ou anteontem, que "mulher inteligente assusta"?
Schopenhauer fala com entendimento, Florbela com beleza, a vida com o ostracismo a que às vezes são condenadas as pessoas acima da média, e o Fart só com a experiência de vida.
A gente entra no seu blog e nota, logo de cara, uma pessoa percuciente, de acuidade intelectual, perspicaz, enfim...
De qualquer forma, güenta aí, mulé, que o celular vai tocar! Ô, se vai!
Abraços!